Follow by Email

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

IMAGENS DO NATAL

Pela lâmina de vidro

de dentro do carro

vou atravessando a cidade

de ponta a ponta...

É noite em pleno dezembro

e da sombra negra das casas e prédios

pendem inúmeros pingentes de luz

de modo que retiro o que disse antes (sobre a sombra negra).

Tudo está tão claro.

          As lojas maquiadas em tons dourado e vermelho

          os postes e as praças cheios dos cuidados do governo

          as árvores com colares da copa ao tronco.

          Por toda a parte purpurinas elétricas a capturar nossa atenção

          com a eficiência que já não sei se ainda têm

          as estrelas, cada vez mais distantes,

          como cada vez mais raro é o gesto de olhar para o céu.

Também vejo gentes.

Não são como a lâmina de vidro da janela do carro,

o colorido das lâmpadas não as atravessa.

Poros, pele, carne, osso incapazes

de deixar a luz vir de fora para dentro.

(Sobre o caminho inverso

meu ponto de vista se embaralha).

          Então preciso observar que,

          a multidão, nas cidades,

          feição distorcida,

          olhos que não piscam,

          ombros deprimidos,

          não é adequada para a festa.

          Assim, para uma boa imagem do natal

          deve-se ficar atento

às lentes

ao enquadramento

à nitidez.

(publicado na exposição "cartão de natal" do Sesc Arsenal/2007)

4 comentários:

  1. Andar pela cidade e ver que as verdadeiras luzes
    das pessoas - das estrelas
    as vezes precisam beber de outras luzes
    como nossas palavras podem beber
    da luz de outras palavras
    ( seu poema )
    Onde até as sombras tem luz
    porque na luz ainda há sombra

    Aclyse

    ResponderExcluir
  2. Lucinda enviou este comentário por e-mail para ser postado:
    Claro e fino olhar dentro de um tema da hora.
    Poema com o movimento e a beleza do Natal.
    A poesia é um vento mágico (ou um carro em trânsito?)
    que nos leva tempo afora;
    é um facho luminoso sobre a noite;
    é combustível eterno;
    é ar puro num entorno copioso, complexo e contraditório

    ResponderExcluir
  3. Conheci Sete dias, livro indicado por Profª. Drª. Rosana Rodrigues, e desde então tenho acompanhado seu bloger. Recebi seu livro "O Ensino da Literatura Produzida em Mato Grosso - regionalismo e identidades. Muito obrigada! Abraços, Lindalva Ferreira de Aguiar

    ResponderExcluir
  4. Oi, Lindalva,muito prazer. Que a poesia nos acompanhe em 2011 e sempre.
    abraço
    marta

    ResponderExcluir